Diversidade para criatividade

Demorou, mas ganhamos vez e voz. Ou melhor, você sabe, nós sempre estivemos aqui! Aqui e em todos os lugares, lutando diariamente para conquistar nosso espaço. A diversidade sexual é o tema desse mês, graças a luta histórica que ocorreu na data de 28 de junho 1969, pelo mais glorioso marco em Nova Iorque, com o protesto de Stonewall.

Dia desses li uma frase no LinkedIn que se encaixa bem no que eu acredito: “Conviver é estar aberto à pluralidade existente na sigla LGBTQ+, é um exercício de empatia e respeito ao próximo”. 

Essa discussão não é sobre ter um mundo mais gay – não que isso não fosse algo maravilhoso por si só, cof cof – mas sobre como o respeito à diversidade, atua como força motriz para a inovação e um melhor desenvolvimento de negócio. 

Pesquisas como a da Forbes (links no final do texto, moçada) que estudou mais de 450 empresas, chegou a conclusão de que “o desempenho empresarial sustentável hoje em dia, depende da sua capacidade de atrair e envolver uma força de trabalho altamente diversificada”. Ou a da Harvard Business Review, que destaca que empresas onde o ambiente de diversidade é reconhecido, os funcionários estão 17% mais engajados, dispostos e felizes.

Nós trabalhamos muito com estratégias, inovação, criatividade e claro, respeito. Que são funções que só ganham força, quando há diversidade de pessoas, sexo, raças e ideias. 

Para que encontremos o nosso potencial como empresa, e ainda mais, como seres humanos, eu realmente acredito que devemos ter respeito às diferenças, que é algo fundamental para uma expansão de ideias, que se somam e multiplicam, proporcionando criatividade e inovação.

Diversidade: inclusão ou estratégia? | https://hbrbr.uol.com.br/diversidade-inclusao-ou-estrategia/

Why diversity and inclusion will be a top priority for 2016? | https://www.forbes.com/sites/joshbersin/2015/12/06/why-diversity-and-inclusion-will-be-a-top-priority-for-2016/#9b3c1902ed5b

 

*Por Caique Sanfelice Lopes, gestor de design da Move. 

 

 

outras postagens

O meu negócio é contar histórias!
O meu negócio é contar histórias!

Lembro que minha mãe me descrevia com uma palavra específica quando eu era […]

O futuro nos representa?
O futuro nos representa?

Ainda não sei como vai ser no futuro, mas hoje (28/06), no dia Orgulho LGBTQ+, vejo que a esperança de um cenário mais diverso e inclusivo contrasta com os números do presente – que mostram uma realidade bem diferente.

A voz e a vez das mulheres
A voz e a vez das mulheres

Há décadas as mulheres convocam o mundo para um movimento genuíno. Chamar a atenção das corporações para a desigualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mercado de trabalho. Vamos falar sobre isso?